Blog R6COM - SPAM, o “vírus viral”
SPAM, o “vírus viral”
2014-04-28 13:00:00 - Por Thomaz Gariglia   
reprodução

O e-mail é uma ferramenta que facilitou muito a vida e a comunicação de quem trabalha conectado.

Mais rápida do que a maioria dos meios conhecidos, a comunicação via web acabou se tornando uma das mais usadas em empresas. Assim como em todos os tipos de relações interpessoais ou entre empresas, a comunicação via e-mail tem uma série de normas e boas práticas que devem ser seguidas, para evitar que hajam punições aos usuários por parte dos provedores e servidores.

Nesse post vamos detalhar algumas situações e o que a empresa pode e não pode fazer quando o assunto é e-mail. Vamos lá?

 

A comunicação sadia permite que o usuário envie a maioria dos conteúdos: textos, trabalhos, pautas, imagens e até videos podem ser enviados via e-mail sem maiores problemas. Na verdade, o problema não costuma ser o tipo de conteúdo, e sim a maneira como ele é passado ou repassado.

O grande vilão da internet tem nome, e é bem conhecido: SPAM.

Muito se ouve e pouco se sabe sobre o que é spam.

DEFINIÇÃO: Spam é o termo usado para referir-se aos e-mails não solicitados, que geralmente são enviados para um grande número de pessoas. Quando o conteúdo é exclusivamente comercial, esse tipo de mensagem é chamada de UCE,do inglês Unsolicited Commercial E-mail.

 

A prática de Spam causa diversos problemas, tanto para quem envia quanto para quem recebe os e-mails. Veja alguns exemplos:

- “Cair” na blacklist: a blacklist é uma lista de e-mails, domínios ou endereços de IP que são conhecidos pelos provedores como fontes de spam. Ela é criada por filtros automáticos. Isso quer dizer que muitas vezes o conteúdo não é spam, mas, quando enviado de uma só vez para muitos destinatários diferentes, acaba sendo considerado como mensagem indesejada e o e-mail cai automaticamente na lista negra.

- Não recebimento de e-mails: a maioria dos provedores limita o tamanho da caixa de entrada dos usuários. Quando se recebe muitos e-mails com spam, a caixa pode ficar lotada e não receber e-mails que eram realmente importantes.

- Gasto desnecessário de tempo: para cada spam recebido é necessário tempo para que o usuário leia, identifique como spam e exclua o e-mail.

- Perda de produtividade: além do tempo perdido, no meio dos spams exluidos podem haver mensagens importantes que foram apagadas por engano. Além disso, a leitura de spams faz com que mensagens importantes possam ser lidas com atraso.

- Conteúdo impróprio ou ofensivo: a maior parte dos spams é enviada a um mailing aleatório, o que faz com que o assunto não necessariamente seja de interesse de quem o recebe. Pior: ele pode trazer um conteúdo considerado impróprio ou ofensivo.

- Prejuízos financeiros causados por fraude: amplamente usado como veículo para disseminar fraudes, como, por exemplo, tentar induzir o usuário a acessar páginas clonadas de bancos, o spam pode dar um grande prejuízo financeiro, além de instalar programas maliciosos e vírus que podem furtar dados pessoais e financeiros. Esse tipo de spam é conhecido como phishing/scam. Caso forneça as informações ou execute as instruções solicitadas nesse tipo de mensagem fraudulenta, o usuário pode sofrer grandes prejuízos financeiros.

 

Conheça abaixo alguns tipos de e-mails que são considerados spam:

- Correntes (chain letters): normalmente são mensagens religiosas ou simpatias que pedem que o destinatárioas repasse a um determinado número de outros destinatários, "para todos os amigos" ou "para todos que ama". Algumas correntes utilizam métodos de engenharia social para convencer o usuário a repassar a mensagem, ou seja, a "não quebrar a corrente".

- E-mail marketing: e-mails marketing são muito comuns e um dos principais motivos que levam os usuários a terem suas contas bloqueadas. No conteúdo, são enviados materiais institucionais, produtos e serviços das empresas. Esse tipo de spam é motivo de discussão e polêmica, afinal, é possível fazer marketing na Internet sem fazer spam: a solução é o marketing responsável na rede, feito por agências através de ferramentas específicas para esse tipo de envio.

- Pornografia: o envio de pornografia por e-mails não solicitados, além de ser considerado spam, é crime. Duas questões importantes relacionadas a este tópico são: o recebimento desse tipo de spam pelas crianças e a propagação de material de pedofilia. No primeiro caso, é importante utilizar recursos técnicos anti-spam, além de acompanhar as crianças que têm acesso ao e-mail e aos demais aplicativos da rede desde muito jovens.

Em relação à pedofilia, a orientação é clara: notificar imediatamente aos órgãos competentes, como a Polícia Federal. O e-mail para denúncias de pedofilia é dcs@dpf.gov.br.

 

A R6COM possui ferramentas específicas para o envio de e-mails marketing. Esse tipo de comunicação, quando feito com responsabilidade e por quem sabe e é autorizado a fazer, é extremamente eficaz e gera excelentes resultados! Contate-nos e faça seu orçamento!

 

*com informações do site antispam.br